A revolução digital já está acontecendo e as habilidades requeridas para qualquer trabalho mudaram. E uma das competências mais desejadas pelo mercado hoje é a capacidade de se orientar por dados. Principalmente quando se trata das expectativas criadas para o gestor do futuro.

Quer saber mais sobre como os gestores podem contribuir com a sua empresa por meio dos dados? Então continue lendo!

O gestor do futuro conhece seu negócio quantitativamente

Metrificando todos os processos importantes dentro da empresa, conhecendo seu produto, seus clientes e o mercado por meio dos dados, é possível que um gestor conheça a empresa toda quantitativamente.

Isso é importante porque é por meio da estatística que um líder pode entender o cenário atual. Ele consegue saber o que acontece hoje, se preparar melhor para as mudanças no mercado e prestar contas sobre as decisões tomadas.

Presta contas

líder prestando contas

Um líder é quem assume as consequências – boas ou ruins – e é responsável por prestar contas para clientes, investidores e funcionários. Todas essas ações, em um mundo que vive a revolução digital cada vez mais forte, podem e devem ser feitas por meio dos dados.

É muito mais simples usar os dados gerados pela própria empresa para prestar contas. Dessa forma é possível mostrar resultados, taxas de crescimento ou queda, rendimento das equipes, entre outras métricas relevantes. Assim as apresentações se tornam claras e objetivas. Isso é o que permite visualizar melhor e aprender com o que os dados têm a dizer.

Coleta dados e aprende com eles

líder coleta dados

Para guiar as suas ações, é necessária uma boa infraestrutura de dados, constantemente atualizada e que serve de consulta para a elaboração de tabelas, gráficos, dashboards ou indicadores específicos. Essas informações, visualizadas de uma maneira simples, são as melhores ferramentas de gestão que um líder do futuro e orientado a dados pode ter.

Por isso, um gestor do futuro deve aprender a conversar com esses dados e extrair o que importa no meio de tanta informação. Porém, essa base de dados não surge espontaneamente. Deve existir um esforço de metrificar todas as ações que causam impacto dentro da empresa. Depois, pensar em formas de coletar esses dados e de conscientizar os funcionários da importância de alimentar os sistemas de informação.

Guardar, organizar, entender e medir tudo deve ser um hábito compartilhado por todos os funcionários. Dessa forma é mais fácil criar e fortalecer a cultura de dados dentro de uma empresa e focar no que pode ser metrificado.

É focado

É por meio dos dados que um gestor do futuro entende seus clientes, produtos e o mercado no geral. Partindo das informações coletadas sobre esses três componentes ele consegue criar métricas e definir prioridades para manter o foco, mesmo que o objetivo seja de longo prazo.

Até a pessoa mais focada pode ficar perdida na quantidade de dados produzidos e armazenados por uma empresa. Por isso, o que define um líder data driven é a capacidade de pensar analiticamente e distinguir o que é importante do que não é. Em outras palavras ele consegue eliminar uma quantidade imensa de informações e focar apenas no que é necessário para o funcionamento da empresa.

Respeita o valor e a necessidade dos dados

Os dados têm o poder de conectar as empresas com seus clientes e produtos. Dessa forma é possível estabelecer métricas e prestar contas sobre todas as decisões tomadas, definir prioridades e alocar recursos. Um líder do futuro que entende o valor dessas métricas sabe que elas são fundamentais para o funcionamento da empresa inteira.

Uma vez que as tomadas de decisão passam pelos dados, é difícil voltar a liderar sem o auxílio dos dados. Isso porque em muitos casos eles servem como guia mostrando o caminho, os problemas a serem enfrentados e inspira soluções criativas que não poderiam ser percebidas de outra forma.

o líder do futuro Constrói uma cultura de dados

líder do futuro constrói uma cultura de dados

Um líder do futuro é orientado a dados e acaba influenciando o restante da empresa a também tomar decisões e prestar contas usando números. Ele entende que qualquer tomada de decisão deve ser medida. Um fracasso medido pode ser melhor do que um sucesso que não teve métrica nenhuma. Isso porque o segundo não serviu para ganhar experiência e know-how para repetir essa ação no futuro.  

Ou seja, um erro que é metrificado gera dados e serve de experiência para a empresa. Isso faz com que as ações que levaram ao fracasso não se repitam. Já uma decisão que resulta em sucesso, mas não foi metrificada não gera dados nem serve de experiência, então ela tem pouco valor no futuro.

É usando essas informações que os gestores podem “adaptar e repetir”. Isso significa adaptar os resultados negativos, pensando em diferentes maneiras de fazer o que deu errado. Depois disso, repetir as ações até que se obtenha um resultado positivo e interessante para empresa.

O futuro já chegou

Se você está se preparando para ser um gestor do futuro então provavelmente sabe que esse futuro está muito mais perto do que se imagina. Ele não virá daqui a uns 10 anos, ele já chegou, e ser data driven é uma necessidade atual que só tende a aumentar. Os maiores players do mercado estão liderando o caminho e você não pode deixar passar a oportunidade de manter a sua empresa competitiva.

Está pensando em adotar algumas dessas práticas orientadas a dados na sua empresa também? Converse com algum dos nossos consultores e descubra que é possível!

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar dessa discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *